Rastros de mentiras e segredos

A grande obra da carne e Valdir Rocha e a persistência do mistério
14 de setembro de 2017
Crônicas absurdas de segunda
14 de setembro de 2017

Este é o segundo livro de contos do coletivo Quantas de nós. Nome que, aliás, batizou o primeiro livro. Esse primeiro nasceu de uma ideia surgida a partir da leitura de uma coletânea de contos de autoras hispano-americanas, publicados há alguns anos na Argentina. O grupo de amigas que se reunia para ler, conversar, tomar café, vinho… decidiu, uma vez que todas escreviam separadamente, por que não se juntar em torno de um projeto semelhante? Poucos meses depois, nasceu o Quantas de nós, que ganhou o prêmio Moreira Campos em 2010, promovido pela Secult. Sete anos e muitos cafés depois, nasceu Rastros… , com uma proposta muito semelhante. Como o primeiro, também este se divide em cinco partes, cada uma delas propõe temas diferentes, todos ligados ao universo feminino. São eles: Por doces obsessões; Pelo retrovisor; Por trás da névoa; Por tua pele; e Por estradas vicinais. Cleudene Aragão, Inês Cardoso, Maria Thereza Leite, Ruth de Paula e Vânia Vasconcelos escrevem esses contos que contam outras mulheres, e André Barros ilustra a capa e cada uma das partes, com belíssimos desenhos em preto e branco. Rastros de mentiras e segredos é um livro que as mulheres gostarão de ler, e que os homens deveriam ler.

 

 

Sobre as autoras

Maria Thereza Leite, cearense, tem um pedaço que ficou preso no Rio e outro em Portugal. Estudou Jornalismo (PUC/RJ) e Administração (UECE). Pós-graduação em Administração (UECE) e em Teorias da Comunicação e da Imagem (UFC). Trabalhou como jornalista no caderno O Globo Feminino e na revista Boletim Cambial, no Rio. Em Fortaleza trabalhou na UECE, foi diretora do Theatro José de Alencar e Secretaria Executiva de Cultura. Recebeu vários prêmios literários no Brasil e em Portugal. Publicou os seguintes livros de contos: Mosaicos (2003), Passagem Secreta para a Rua (2007), Quantas de Nós (coletânea, 2011), Avenida dos Ventos (2012) e o romance A Medida das Palavras (2015).

Cleudene Aragão nasceu em Fortaleza em 1972. Formada em Letras (Português e Espanhol) pela UECE, concluiu o Mestrado em Letras (UFC), que lhe rendeu os livros  Xosé Neira Vilas e Rachel de Queiroz, fabuladores artífices (2000, em galego) e Rachel de Queiroz e Xosé Neira Vilas: Vidas feitas de Terras e Palavras (Prêmio Osmundo Pontes de Ensaio, 2012). Fez o doutorado em Barcelona, sobre a Literatura na formação de leitores e futuros professores de espanhol. É Professora de Língua e Literatura Espanholas do Curso de Letras e estuda Letramento Literário no Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada da UECE. Autora das crônicas afetivas do livro José Walter (2016) e do conto “Coração Selvagem”, do livro Para Belchior, com amor (2016), lançado aqui também na II FLI7.

Vânia Vasconcelos nasceu em Salvador (BA). Passou a infância entre as cidades do Recôncavo (Santo Amaro), do sertão da Bahia (Alagoinhas) e Salvador. Estudou na UCSal e Ufba, respectivamente Letras e Jornalismo. Foi professora da UNEB, mudou-se para o Ceará em 1995 e ensinou na UECE. Foi articulista do jornal O Povo, escrevendo crônicas para o caderno Vida e Arte. Essas crônicas estão publicadas em seu primeiro livro, Mergulhos, que ganhou os Prêmios Caio Cid-2005, do Ideal Clube e Incentivo à circulação literária, da Secult/2005. Publicou ainda Desvios(contos), que ganhou também o Prêmio Fran Martins para obra inédita em 2008, participou da coletânea de contos Quantas de Nós (2010), vencedor do Prêmio Moreira Campos, Chão de Infância (infantil) e o ensaio No colo das Iabás (2015).

Ruth de Paula nasceu em Pacajus (CE). Como professora de crianças, contou e ouviu estórias as quais compõem o tecido de suas pesquisas científicas desenvolvidas na UECE. É doutora em Educação Brasileira pela UFC. Premiada com o conto intitulado Tirados do pé no 3 Prêmio Ideal de Literatura – 2000, no qual recebe menção honrosa pelo conto intitulado “Tempo”. Pela coleção Baião de Letras (SECULT), publica Chuva, Sol, Sombra e Sombrinha, uma coletânea de crônicas voltadas para o público infanto-juvenil. Compõe junto com Maria Thereza Leite, Vânia Vasconcelos, Cleudene Aragão, Inês Cardoso e Carmélia Aragão o grupo de escritoras da coletânea de contos Quantas de Nós.

Inês Cardoso nasceu em Barbalha (CE). É professora de língua espanhola e suas literaturas, no Curso de Letras da UFC, onde também cursou mestrado em Literatura Brasileira. Sua dissertação recebeu o Prêmio Xerox do Brasil / Ed. Cone Sul e recebeu como prêmio, sua publicação sob o título Cicatrizes submersas dos sertões. Descartes Gadelha e Euclides da Cunha em correspondência. É doutora em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana, da USP, em sua tese lançou novamente o olhar sobre o Sertão, acercando-o desta vez à Castela de outros idos, com título Cavalaria e Picaresca n´ A Pedra do Reino de Ariano Suassuna. Estreou na ficção com o livro Quantas de nós, escrito pelas mesmíssimas muitas mãos que carpiram esses Rastros.

 


Serviço

Lançamento no Café do Belchior, dia 29/9, sexta-feira, às 20h.

A FLI7 acontece de 27 a 30 de setembro na UNI7.