FLI72017: Riqueza de cores traz reflexão sobre o espaço urbano

FLI72017: O percurso literário de 80 anos na vida de Marina Colasanti
29 de setembro de 2017
FLI72017: “Doidice que Dá”, um espetáculo para dançar e cantar juntos
29 de setembro de 2017

Com o uso de várias técnicas artísticas, os artistas do Acidum Project afirmam que não há barreiras para a concretização da arte. Sempre em busca do experimentalismo

Texto: Rafael de Lima (6º semestre – Jornalismo/UNI7)

Fotos: Lucas Mota (2º semestre – Jornalismo/UNI7) e Nicole Paiva (4º semestre – Design Gráfico/UNI7)

O uso da arte coletiva como aspecto não limitador, sem medo de usar a cor como elemento forte. O Acidum Project é um movimento artístico de intervenção, onde o foco na pintura gera um conjunto de intervenções da cultura urbana. O programa que começou em Fortaleza, sob o comando dos artistas Robézio Marqs e Tereza Dequinta, está com um dos trabalhos em processo de conclusão na rua compartilhada Agerson Tabosa, ao lado da UNI7 (Centro Universitário 7 de Setembro).

A convite da professora Maria Vital, coordenadora do curso de Direito, da UNI7, e idealizadora da proposta, os artistas tiveram a oportunidade de conversar com ela sobre respectivo trabalho. O mural, medindo cinco metros de altura e quinze de largura, recebe a denominação de “estudos sobre Têmis”, uma referência à deusa da justiça na mitologia grega e homenageia o ex-professor Agerson Tabosa, do curso de Direito da UNI7.

Maria Vital, coordenador do curso de Direito da UNI7,
foi quem teve a ideia do mural do Acidum Project (Foto: Davi Menezes | 4º semestre – Publicidade/UNI7)

O idealizador do projeto, Robézio Marqs, afirma que a arte urbana retornou muito forte nos últimos vinte anos e o intuito não é só agradar pela paisagem, mas, questionar, trazer a reflexão. “O que não pode acontecer é passar desapercebido. A relação entre o trabalho e o expectador não é de apenas de olhar, mas também de fruidor da obra”.

Como inspiração, há busca de diversas formas para auxiliar os artistas como uma letra de música, um trecho de filme ou até mesmo um texto literário. “Poemas de Fernando Pessoa ou de Mia Couto já foram utilizados em nosso trabalho e, dependendo do momento, vários artistas passam a ter o caráter de agregadores ao trabalho”, ressalta Marqs.

Para o casal, o maior desafio da arte urbana é a mistura entre pessoas, sendo aquela muito acessível, confrontadora. E o desejo da Acidum Project é de cada mais, fazer trabalhos sob vários formatos, viver com a arte engradecendo como ser humano. Há um intuito habitual de ter independência na produção, algo que é satisfatório no trabalho do projeto.

 

Conteúdo gerado pelo NPJOR / Curso de Jornalismo UNI7