FLI72017: Expressões cearenses por meio das leituras e canções

FLI72017: Construção de personagens e narradores para escrever romance
1 de outubro de 2017
FLI72017: Inclusão e representatividade para crianças na literatura infantil
3 de outubro de 2017

Na palestra sobre a relação entre música e a literatura cearense, o jornalista e escritor Flávio Paiva fez referência ao poeta Patativa do Assaré e à apresentação do show Invocado, da banda Dona Zefinha

Texto: David Moura (4° semestre – Jornalismo/UNI7)

Fotos: Bruno Moura (2º semestre – Publicidade/UNI7)

“Invocado: a relação entre música e literatura”. Esta foi a abordagem do jornalista, escritor e compositor Flávio Paiva, para introduzir o tema “Contar com música – Patativa e outros invocados”, em homenagem ao poeta popular cearense Patativa do Assaré (1909-2002). A conversa e o show da banda Dona Zefinha aconteceram na manhã do sábado, 30, como atração da 2ª FLI7 (Festa Literária 7 de Setembro).

No debate, Flávio analisou e deu exemplo de como o poeta Patativa usava algumas expressões e costumes nordestinos, relatados em suas obras desde aspectos relacionados à vida do sertão como a seca, a convivência com os animais e a cultura. “O Patativa é, na verdade, o grande homenageado da FLI7 nesta festa literária e ele faz parte dos meus livros junto com outros artistas. Dei destaque para o Patativa dentro dessa ideia da homenagem”, revelou. Outros artistas cearenses mencionados foram os cantores Belchior e Ednardo e o poeta Cego Aderaldo.

No encerramento da conversa, houve a apresentação do pocket show da banda Dona Zefinha, misturando música e teatro. O espetáculo nasceu paralelo ao lançamento do livro-CD “Invocado – Um jeito brasileiro de Ser musical”, de Flávio. Ele disse ter uma relação bem antiga com o grupo. Realizaram, inclusive, vários trabalhos juntos durante um bom período, como um espetáculo infantil baseado no seu livro ‘Flor de Maravilha’, entre outras colaborações.

Em relação à importância cultural da FLI7, Flávio respondeu: “Acho muito importante essa movimentação da festa literária porque isso estimula não só o leitor o hábito de ler, mas estimula a pensar, refletir sobre tantas coisas que os livros trazem esse encontro”.

 

 

Conteúdo gerado pelo NPJOR/Curso de Jornalismo UNI7